<

segunda-feira, novembro 29, 2004

Rota dos Castros: viagem ao Fundão antes da chegada dos Romanos


Posted by Hello
«Os Lusitanos tinham os seus castros, não no interior da Serra da Estrela, mas na sua vertente oriental, voltada à Cova da Beira»; «ter-se-iam estabelecido na região montanhosa da Beira Interior no Bronze Final».

JORGE DE ALARCÃO
.
.
.
O Concelho do Fundão dispõe, desde o passado mês de Setembro, de uma inovadora oferta turística: trata-se de um roteiro histórico, único no país, denominado Rota dos Castros. A iniciativa é da Câmara Municipal e da Fundão Turismo - Empresa Municipal, e foi apresentada publicamente no âmbito das Jornadas Europeias do Património 2004.
A título simbólico, o Vice-Presidente da Autarquia, Dr. Carlos S. Martinho, descerrou na cidade uma das placas identificativas da Rota dos Castros, inaugurando assim, oficialmente, este programa de dinamização turística.
Já a apresentação do roteiro decorreu no Castro de S. Brás, onde Amílcar Guerra, docente da Universidade de Lisboa, fez um retrato da cultura castreja, particularmente aquela que foi materializada no Concelho no Fundão, particularmente rico em castros. O referido historiador classificou a Rota dos Castros como “uma incitativa pioneira, sobretudo com esta dimensão”, e esclareceu ainda: ”não se trata de valorizar apenas um único sítio, mas de valorizar um conjunto de locais de uma área relativamente ampla e que têm muita importância do ponto de vista histórico-cultural”. O momento contou com a presença de cerca de cem pessoas e de várias organizações ligadas à Serra da Gardunha: Caminheiros da Gardunha, ADESGAR e Serra-Aventura.
A Rota dos Castros é um percurso que vai à procura dos vestígios dos povos pré-romanos que habitavam a Península Ibérica, indo ao encontro das raízes ancestrais do território hoje português das Idades do Bronze e Ferro (1º Milénio a. C. – Séc. I). Com esta iniciativa, a Câmara Municipal do Fundão e a Fundão Turismo - Empresa Municipal pretendem valorizar e divulgar o rico património histórico concelhio, que não tem conhecido a notoriedade que merece. Além do mais, a Rota dos Castros prende-se com a possibilidade de reencontro com os povos que os portugueses identificam com a nossa etno-génese: os (ainda tão pouco conhecidos) Lusitanos. Com efeito, segundo os mais recentes estudos de Jorge de Alarcão - um dos maiores especialistas mundiais do período romano – «os Lusitanos tinham os seus castros, não no interior da Serra da Estrela, mas na sua vertente oriental, voltada à Cova da Beira»; «ter-se-iam estabelecido na região montanhosa da Beira Interior no Bronze Final».
Assim, este roteiro – que compreende um folheto-guia com informação histórica, turística e das acessibilidades - é um autêntico recuo no tempo. Com sinalética a identificar cada um dos castros, o visitante tem a possibilidade de conquistar as alturas, como há milénios o fizeram os povos que habitavam o cimo dos montes (Castro é, exactamente, um aglomerado habitacional erigido nas grandes elevações montanhosas) guerreando empedernidamente os Romanos invasores.
O Castro da Cabeça Gorda, situado entre Alcaria e Peroviseu, o Castro do Vale Feitoso, em Peroviseu, o Castro da Tapada das Argolas, na Capinha, castro dos Três Povos, no Escarigo, o da Covilhã Velha, entre os Enxames e as Quintas da Torre, o de S. Roque entre Donas e Alcongosta, o da Sr.ª da Penha, entre Alcongosta, Alpedrinha, Souto da Casa, o Castro de S. Brás, no Fundão e o da Argemela, em Lavacolhos, constituem a rede de sítios a visitar.A Rota dos Castros foi concebida para a visita-livre aos sítios arqueológicos mas, no caso de se pretender fazê-lo mediante visita-guiada, devem contactar a Câmara Municipal do Fundão, a Fundão Turismo - Empresa Municipal ou a Serra-Aventura.

1 Comments:

Anonymous fernando nogueira gonçalves said...

Seria interesante desenvolver primeiro que tudo , um trabalho que é necessário ser feito antes de divulgarem o que se não vê. Porque o pouco que se vê ,pode criar sim ,desilusão.

2:56 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home